Cabelo, Miley Cyrus e umas verdades

Foto destaque via

Não vou mentir pra vocês… costumava seguir a Miley Cyrus no Instagram porque gostava de ler as opiniões loucas dela sobre as coisas e curtia boa parte das causas que ela apoiava, como o engajamento a favor da proteção animal por exemplo. Apesar de não gostar muito do seu estilo de música e mesmo achando que ela tem muito mais potencial do que o que produz atualmente para a industria, tinha uma outra coisa que me fazia gerar um certo interesse por ela nessa fase meio vidalok mimada: o fato dela simplesmente cagar pro mundo e de não estar nem ai para o que as outras pessoas tinham a dizer sobre ela. Por vezes ela era algo forçado, irritante e ridículo, mas em outros momentos algumas das suas atitudes eram de fato inspiradoras – “queria ter essa confiança” – eu dizia. Então, depois de fazer uma limpa no que andava seguindo, parei de ver o que aquela louca andava fazendo.

Eis que faz alguns dias que resolvi dar uma olhada no que havia perdido e achei algo que me chamou atenção. Vi um post dela falando sobre a atual fase do seu cabelo, acompanhado de um desabafo que demonstrava todo o arrependimento dela em ter cortado e platinado os fios. Lembrei de mim instantaneamente. Na declaração, que você pode ler aqui, ela diz o quanto estava arrependida de ter feito o cabelo natural e saudável dela passar por isso e do quanto ela sentia falta da antiga Miley. Também disse que enquanto ela estava obcecada por mudar o cabelo, questões importantes estavam acontecendo ao seu redor e ela nem se quer se importava. Segundo Miley, as pessoas precisam prestar mais atenção aos avisos que elas dão a si mesmas quando estão prestes a fazer algo errado, tipo aquele friozinho na barriga ou aquela voz que diz “não faça isso!”.

Por último ela completa “Se você estiver pensando demais em algo tão bobo quanto cabelo… Vá dar um passeio, sinta o cheiro de uma flor, concentre seus pensamentos em achar algo produtivo pra fazer com o seu tempo… Tudo é uma experiência de aprendizado, inclusive cabelo lol. Isso (neste caso, tudo que ela disse) não é uma forma de desvalorizar a mudança de cabelo como uma ferramenta criativa para expressar quem você é, então se é algo que parece certo pra você… FAÇA! Não pense demais, porque é apenas cabelo! Nada que você vá fazer será prejudicial e no final das contas será apenas um novo capitulo. Minha vida é feita cronologicamente de estilos de cabelo lol!!” 

Já tive minha fase ombré hair, luzes e platinado. Na última vez, gastei uma pequena fortuna pra consertar uma desgraça que tinha feito no cabelo apenas por sentir saudades dele clarinho. Atualmente estou tentando fazer ele crescer, respirar um tico e da próxima vez em que estiver pensando em criar problemas pra mim, vou procurar algo produtivo pra fazer com meu tempo. Em todos os momentos que fui corajosa pra tentar mudar, eu pensei “cabelo cresce”, mas sinceramente? Não quero passar pela dor de cabeça de esperar que ele esteja saudável de novo… Olha que já fiz muita loucurinha, quem me conhece sabe.

Agora, pretendo parar pra pensar se partir pra uma mudança radical é realmente uma necessidade primordial na minha vida ou somente um capricho de quem está tentando se encaixar num padrão aleatório de tendência capilar antes de fazer qualquer coisa com o hair. O que preciso nesse momento da vida é aceitar como ele é de verdade – CASTANHO, indeciso quanto a textura lisa/ondulada/cacheada e rebelde sem causa – para que talvez isso se transforme numa forma de me sentir mais confiante comigo mesma. Já me libertei uma vez quando decidi que não faria mais alisamento e preciso me libertar de novo desse vicio de estar sempre querendo fazer algum tipo de clareamento nele. Tenho que entender de uma vez por todas que por mais que eu ache cabelo platinado ou colorido a coisa mais sensacional do mundo, são coisas que definitivamente não se encaixam comigo ou com meu estilo de vida. Espero conseguir trilhar o caminho sem tentações, mas se elas aparecerem, quero estar preparada pra dizer não, por mim e pelo meu cabelo.

 

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Pinterest

Leia também...

2 Comentários

  1. Sempre quis tingir o cabelo de ruivo ou deixar as pontas pretas (é, que nem a Avril Lavigne, igualzinho), mas hoje que finalmente criei coragem, tenho valorizado mais um cabelo saudável que me poupe tempo de manhã. Prefiro ele assim, do jeito que eu sempre conheci, do que encarar toda uma nova leva de cuidados (as vezes pensar nisso ajuda a sossegar o bumbum também). E se tem algo nele que te incomoda, tento o low poo/no poo, tenho várias amigas que viviam mudando pra tentar se achar em um corte novo, mas acabaram se encontrando mesmo quando deixaram o cabelo do jeito mais natural possível, é um processo lento, mas estão todas muito felizes com o resultado.

    1. É exatamente isso que quero fazer, sabe? Testar produto e coisas que deixem meu cabelo respirar novos ares pra ver se consigo finalmente me identificar com ele 100% natural kkkk tá na hora já! Não aguento mais ficar sempre recuperando meu cabelo de coisas ruins que faço com ele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *