Sobre Facebook e comportamento em rede social

Eu sei que ando um pouco atrasada com os posts aqui no blog, mas as vezes fica difícil atualizar as coisas com a frequência que eu gostaria. Umas duas semanas atrás eu publiquei um vídeo no canal do Youtube falando o porque de não usar mais Facebook. Depois de assistir ele de novo esses dias eu achei que acabei esquecendo de falar umas coisas importantes… Acontece, né?

A primeira vez que eu deixei de usar Facebook foi no final de 2015 por sentir que, de uma forma não muito saudável, eu acabava depositando minhas metas de vida de acordo com as experiencias que outras pessoas publicavam por lá. Isso incluía trabalho, vida acadêmica e até objetivos como viagens e bens materiais. Tudo isso me fazia ficar um pouco frustrada porque afinal de contas, as pessoas vivem vidas diferentes com oportunidades mais diferenciadas ainda, e eu ainda não tinha maturidade pra entender isso. Então, eu acabava ficando perdida o tempo todo em pensamentos, desejando a “grama mais verde” dos outros e no final do dia, eu só conseguia sentir tristeza e arrependimento pelas escolhas que eu havia feito na vida. Sei que existem infinitas opções pra não ter tanto acesso as atualizações de quem você não quer no Facebook, mas vamos combinar que na prática mesmo nada disso funciona, né?

Fiquei uns 5 meses sem aparecer por lá e eis que por motivos de trabalho, bem na metade de 2016, eu precisei reativar minha conta. Belíssima hora… Tempos de golpe politico, de briga entre colegas e familiares, tempo de intolerância e muito mais coisas desagradáveis. Eu me vi dentro de uma bolha social cheia de pressão que a qualquer momento poderia explodir sem dar aviso. Pois bem, lá estava eu no Facebook novamente e dessa vez os problemas eram muitos maiores. Eu não conseguia controlar o que via na minha timeline, nunca sabia como me expressar sem receber ódio gratuito de outras pessoas, passei a ficar horas me engajando na discussão dos outros ou lendo comentários ridículos/abusivos e ficava parte do meu tempo livre comentando sobre problematizações que via por lá e que não faziam muito sentido pra mim.

Problematizar o que não precisa ser problematizado. Tá ai uma outra coisa que andava me incomodando muito por lá. Acontece que a necessidade de atenção/likes faziam as pessoas criar “textões” que no final das contas traziam questionamentos que nem sempre eram relevantes simplesmente pra atrair os olhos dos outros. Daí começava o loop infinito… Intolerância – falta de respeito – falta de educação. Respeito é o mínimo em qualquer interação social e devemos sempre lembrar disso, estando cara a cara ou atrás de um monitor. Inclusive, antes de prosseguir queria deixar claro uma coisa que você até já deve ter percebido somente pelo tom do texto: O grande problema não está no Facebook em si.  Está nas pessoas (sempre as pessoas). Tendo isso em mente, continuemos a conversa…

Eu sei que toda essa falta de respeito é um problema de TODAS as redes sociais. Porém, eu acredito que em lugares como Twitter e Instagram isso consegue ser controlado com muito mais facilidade e sua indignação acaba não sendo das maiores, vou explicar porque. Quando nós entramos em contato com o pior dos outros e eles são nossos “amigos” ou “amigos de amigos” é mais difícil tolerar. Nas outras redes, apesar de “seguirmos” as pessoas e eventualmente elas falarem porcarias, lá no fundo existe o conforto de que aquele ser é somente alguém que está ali e que não necessariamente faz parte do seu ciclo de amizade, você pode simplesmente dar um “unfollow” sem maiores dramas, ressentimentos ou falação.

Lógico que nessas redes você também acompanha a vida e experiencias positivas de outras pessoas com ainda maior intensidade, no entanto, pra mim já está mais que desenvolvido o pensamento de que tudo isso é natural. As pessoas deixam registrado pra posteridade o que viveram de bonito e não as dificuldades que enfrentaram ponto. Esse fator já está mais que amadurecido na Agatha de hoje. Portanto, a maior motivação pra que eu não seja mais uma usuária (com fins pessoais) do Facebook desde Janeiro de 2017, está mesmo no fato de que não sou obrigada a conviver com negatividade e que por mais que estejamos sempre cercados de pessoas tóxicas independente da rede social que usamos, nós ainda temos o livre arbítrio pra escolher manter aquelas que nós julgamos não nos fazer mal. 

Se o universo vai me fazer voltar, não sei. Só sei que depois de todos esses meses sem dar as caras por lá, eu sou uma pessoa muito mais feliz e com menos rugas.

Ufa, esse texto ficou longo hahaha parabéns se você leu tudo. Vou deixar aqui embaixo o vídeo que fiz, que por sinal está num tom bem mais descontraído do que esse texto e eu espero que vocês gostem. Se você se identificou com alguma coisa que escrevi aqui (ou não), deixa seu comentário e vamos conversar :D! Até a próxima.

Foto destaque via

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Pinterest

Leia também...

8 Comentários

  1. Eu mudei o que queria comentar aqui pelo menos umas três vezes, de tão bem elaborado que foi esse post e esse vídeo. Agora estou apenas sem palavras hahaha

    Btw, eu ainda uso o facebook. Não posto nada lá há semanas, estou conseguindo largar do vício de ler comentários (pq graças a deusa já consegui parar de respondê-los), mas vez ou outra ainda entro lá só pra dar uma olhada. Curto muitas páginas que gosto muito, sempre mantenho uma lista de amigos que eu posso dizer que não são tóxicos (mas que não necessariamente pensam como eu), etc. Acho que assim dá pra curtir a rede social de boa, mas em um mundo onde existe Twitter, Instagram e blogs, talvez eu acabe largando de vez o Facebook, mais porque a ideia da rede social já não me agrada mais mesmo.

    Enfim, se eu amei seu post? Seria uma afronta não ter amado, rs. Beijão!
    milenaschabat.blogspot.com

  2. Eu estou fora do facebook desde o início do ano também e olha, como a vida ficou mais leve. Ainda acabo usando profissionalmente, mas o meu perfil pessoal tá lá abandonadinho e eu não me arrependo nem um pouco. Uma outra coisa que me incomodava muito também (além dos motivos que você já listou) é a quantidade de informação inútil que a gente acaba consumindo, só por estar lá. Hoje em dia prefiro selecionar melhor o que REALMENTE quero assistir ~ ao invés de ficar presa naquela roda viva de conteúdo desinteressante.

    1. noossa muito verdade! porque mesmo que você filtre tudo que quer ver, não consegue controlar o que os outros postam! e ai o facebook acaba mostrando coisas que não são do seu interesse e se for parar pra pensar, se você filtra tudo, bloqueia tudo, tira feed de tudo… qual o motivo de simplesmente não desativar a conta né? <33

  3. Como assim eu não descobri esse blog antes? Sobre esse texto eu concordo com tudo que você disse, as redes sociais principalmente o facebook e o instagram conseguem (se não prestarmos atençao) controlar nossos sonhos, nossas ações, nossos desejos. Também optei por abandonar o facebook, apareço por lá pra interagir em algum grupo que eu goste muito, na minha fanpage e responder inbox, mas ficar rolando a tml, absorver toda a energia ruim e deixar de viver eu passo.

  4. De fato, o Facebook é uma rede social muito tóxica , e é por esse motivo que eu também não fico muito por lá. Já me deixei contaminar e entrei em uma discussão com um sujeito absurdamente sem noção e depois disso, essas coisas passam batido por mim. Prezo por minha saúde mental hauahua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *