Finalmente assisti “Love”, série do Netflix

Logo que a série Love saiu no Netflix, fiquei empolgada pra ver por ser uma criação do Judd Apatow, que conheci através de  Ligeiramente Grávidos e O Virgem de 40 anos. Se você já viu algum dos filmes que ele escreveu ou produziu, sabe que ele tem essa característica de carregar no humor ácido e focar em dramas cotidianos da vida real, mas antes de falar sobre Love, devo confessar uma coisa. Quando assisti o primeiro episodio da série, fiquei um pouco decepcionada porque aparentemente, não era nada do que estava esperando e os personagens não me cativaram nem um pouquinho logo de primeira. Fiquei chateada, bati o pé, sai em busca de críticas positivas, li também algumas negativas e então resolvi que ia esperar pra ver a série numa outra oportunidade.  Na segunda chance, bastou um dia pra ver tudo e a mágica acontecer.

Basicamente, Love conta as reviravoltas amorosas de Gus (Paul Rust) e Mickey (Gillian Jacobs) personagens principais desse romance, que para as telinhas é pouco convencional, mas que no geral podemos classificar como cruelmente próximo da realidade. Gus é tutor de atores teen, nerd certinho, introvertido e sensível, já Mickey é produtora de rádio, super”descolada” e desequilibrada em muitos níveis de maluquice. Love é na verdade um retrato da vida de pessoas comuns, com manias excêntricas, que se conheceram ocasionalmente e aos poucos vão se descobrindo em meio a altos e baixos vividos durante situações cômicas da vida. Tudo na série é bem trágico, tá? De relações amorosas e sociais a relações profissionais, a pegada é realmente fazer rir do sofrimento alheio. Talvez seja por isso que a série dividiu o público entre os que amaram e aqueles que odiaram mortalmente o casal/história. 

Love

Ainda falando sobre os personagens, Gus e Bertie (Rommie da Mickey) conquistaram meu coração pela inocência, já com relação a Mickey, só consegui amar o figurino.  Infelizmente, pelo menos na primeira temporada, só tive a oportunidade de descobrir na personagem uma pessoa meio egocêntrica e egoísta. Claro que parte do comportamento estranho dela se deve ao vicio por N coisas e pelas relações amorosas anteriores, mas ainda vou precisar de mais episódios pra decidir se Mickey seria alguém com quem eu me daria bem na vida real. Tirando os pesares, ela é cool, determinada e você provavelmente vai gostar do jeito “foda-se” que ela tem de tocar a vida (o que em certas ocasiões é mais do que justificável da parte dela).

O final da primeira temporada deixa a gente bem curioso pra saber como os dois conseguirão superar as diferenças gritantes de personalidade. Talvez a série dê uma enfase maior a essa coisa de que eles são muito diferentes ao mesmo tempo que são muito parecidos e que por isso eles tem todo potencial para se adaptar as manias características do estereótipo dado a cada um dos personagens, até porque, muito antes de se conhecerem e ficarem juntos, os dois pelo menos concordavam com a mesma cor de tapete.

Alguns detalhes também dão um tom bem legal na série, como a forma com que trata o uso das tecnologias no cotidiano da vida de amigos e casais modernos ou como satiriza, de forma bem humorada, o nosso comportamento doido nas redes sociais. No mais, acompanhar o desenvolvimento do relacionamento entre Gus e Mickey no decorrer dos vinte e poucos minutos de cada episodio (que são um pouco arrastados por sinal), transforma a série em algo especial no fim das contas. Vou logo avisando que é preciso ter a mente fora daquele tipico roteiro que encontramos na maioria dos filmes de comédia romântica pra curtir a trama numa boa.

Se você já viu Love, amou ou odiou, me conta como foi! Minha meta agora é ver The Ranch , que estreou dia 1 de Abril no Netflix. Vejamos se Ashton Kutcher consegue fazer uma gracinha.

Até a próxima!

 

06 comments on “Finalmente assisti “Love”, série do Netflix

  • min , Direct link to comment

    Assisti dois capítulos, mas num me animei, aí parei. Mas acho que vou me forçar a ver mais alguns pra, talvez, ver se realmente curto e tal. ^^ Ah, achei realmente bem a ver com a realidade os eps que vi, sendo que mexeu comigo de diferentes formas ao assistir, e olha que só foram 2!
    É, vou tentar ver masi alguns e, quem sabe, curtir a serie em si. \\o Dedos cruzados por aqui…
    Beijo, Min

  • Nicas , Direct link to comment

    Toda vez que vejo essa foto promocional acho que é a Marissa do The OC!
    Tudo que eu ouvi desse seriado é ou que você ama ou você odeia, então tô empurrando ele lá pro fim da fila, pra quando as séries acabarem em junho.

    • Agatha Valença , Direct link to comment

      E o pior é que é a mais pura verdade, ou você ama ou odeia! Eu precisei forçar a coisa um pouquinho e não me arrependi, a série não é de te arrancar risos o tempo todo, mas é bem legal 😀

  • KARINE , Direct link to comment

    Eu comecei a ver e desisti na metade do primeiro ep por achar meio chatinha/sei-la, hahaha. Ainda pretendo terminar e tirar minhas conclusões, mas vou deixar pra depois, pq tenho outras séries mais queridas pra colocar em dia, haha.

    • Agatha Valença , Direct link to comment

      Foi exatamente por isso que também parei no primeiro episodio, não me cativou nem um pouquinho! Qdo você for dar uma segunda chance, quero saber o que achou ahhahaha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *