Maria e todos os requisitos para ser uma pessoa normal

Sempre que tenho uma ideia legal de post, anoto no celular e vou marcando como done a medida que vou escrevendo sobre o assunto. Mas como nem tudo é perfeito, tem aquelas vezes que você vai postergando um rascunho até que finalmente esquece dele. Isso acabou acontecendo com um filme espanhol que vi no final do ano passado chamado Requisitos para ser una persona normal (em português Requisitos para ser uma pessoa normal). 

RPSUPN foi escrito e dirigido por uma moça que se chama Leticia Dolera que inclusive, atua no papel principal do roteiro sendo a querida María de las Montañas. O filme é lindo, de uma leveza sem igual e tem uma trilha sonora bem naquela pegada fofa stress free.  Mas o mais interessante dele, é a forma como traz a tona todos aqueles questionamentos que a gente faz pelo menos uma vez na vida. Será que eu sou uma pessoa normal? Será que um dia vou ser feliz? O que eu preciso pra ser uma pessoa completa? Vida social e familiar são realmente primordiais na vida? Quando vou ser finalmente aceita, bem sucedida, ter meu próprio canto, ditar as regras da minha própria vida?

No filme, Maria acredita que é uma pessoa fadada ao fracasso por não preencher os requisitos pra ser uma pessoa normal. Requisitos esses que ela listou após uma entrevista de emprego. São eles: 1. Casa; 2. Trabalho; 3. Parceiro; 4. Vida familiar ativa; 5. vida social ativa; 6. Hobbies e 7. Ser Feliz. Parece a receita perfeita pra realmente ser alguém equilibrado/aceito/ nesse mundo cão, né?

Continue Lendo
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Pinterest

Overdose Netflix do FDS | Stranger Things, Tallulah e mais

Que saudade de aparecer por aqui! Andei meio ausente e tudo mais, mas o tempo não tem me ajudado muito e como todos os outros reles mortais, estava precisando ganhar a vida, superar algumas dificuldades e ultrapassar alguns obstáculos (hahahaha falei bonito). Mas enfim, tinha que passar por aqui pra dar uma opinião sobre minhas últimas experiências netflixianas.

Vamos começar pelo assunto mais falado dessa semana e depois pelos outros em ordem de relevância.

STRANGER THINGS

winona-ryder-is-a-frantic-80s-mom-in-netflix-trailer-for-stranger-things-netflix-1011112

Eu tenho um certo problema com coisas que estouram rápido demais, porque sempre fico cheia de expectativas e acabo me decepcionando. Estava com medo que isso acontecesse com Stranger Things, apesar de vir aguardando ansiosamente pelo lançamento desde a liberação do primeiro teaser pelo Netflix. Lembram quando Sense8 explodiu e todo mundo não parava de falar a respeito? Vi vídeos de youtubers famosos enaltecendo a série, a mídia e os canais de cultura pop não falavam de outra coisa e ai eu resolvi que não iria mais nadar contra a maré e fui ver… BLÉH, não gostei. Isso significaria dizer a todos que pra mim não era uma série tão poderosa quanto estavam falando e lógico, fiquei muito decepcionada por não conseguir gamar no enredo. Só minha opinião, tá? Não fiquem tristes se vocês amam o elenco de Sense8.

Continue Lendo
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Pinterest

Lily Tomlin é a avó feminista dos sonhos em “Grandma” (2015)

Hoje minha indicação vai para “Grandma”, dirigido e escrito por Paul Weitz (nome por trás dos filmes American Pie: A Primeira Vez é Inesquecível e Em Boa Companhia) e que por aqui ficou conhecido como Aprendendo Com a Vovó (?).  Não entendo porque essas traduções de título são tão cagadas sempre, mas enfim…

Grandma é um filme curtinho, de orçamento baixo, super simples, filmado em apenas 19 dias, que possui 79 minutos de duração e que provavelmente você não deve ter ouvido falar. Mas vou te dizer uma coisa, além das atuações fantásticas e do leve humor, ele passa uma mensagem sobre empoderamento da mulher que merece todo o reconhecimento.

Vamos começar com a atuação perfeita de Lily Tomlin. Você deve lembrar do rostinho dela depois do estouro que foi a série Grace and Frankiedo Netflix (se não viu ainda, assista), onde ela dá um show de atuação ao lado da maravilhosa Jane Fonda… pois bem, no filme ela interpreta Elle, a vovó do título, que não é de todo diferente de Frankie na série. Não espere lá nada carregado de drama, só tente admirar o nível de naturalidade com que ela se entrega de um jeito impressionante ao roteiro do personagem. Parece até que o filme foi criado pra ela. Elle é uma avó super energética totalmente fora dos padrões da sociedade, que é  lésbica, viúva, quebrada financeiramente, ex renomada escritora feminista, ranzinza e sem papas na língua, que de repente se vê numa grande sinuca de bico ao receber a visita inesperada de sua neta Sage (Julia Garner), logo depois de ter terminado um relacionamento.

Continue Lendo
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Pinterest